Trial version, Version d'essai, Versão de teste

Analytical summary - Food safety and nutrition

From AHO

Jump to: navigation, search

The English content will be available soon.

Segurança alimentar

FoodMaking.jpg

O país desenvolveu em 2002 uma Estratégia Nacional de Segurança Alimentar (ENSA) para o horizonte de 2015, executada através de programas quinquenais. Foi criada uma Rede de Segurança Alimentar, estrutura de coordenação que procura dar resposta às orientações estratégicas.

As acções executadas visam a estabilidade da oferta de bens alimentares de qualidade no mercado doméstico, o acesso aos mesmos, a sua utilização apropriada, o funcionamento de mecanismos de prevenção e gestão de crises alimentares, a solidificação do quadro institucional de segurança alimentar, a planificação e programação da Segurança Alimentar (SA) e o reforço da capacidade interventora dos actores. Estas acções são reforçadas nos conselhos onde há maior incidência de insegurança alimentar.

Nutrição

A nutrição, em Cabo Verde, reveste-se de particular importância, atendendo, designadamente, à vulnerabilidade do país relativamente à produção de alimentos e sua dependência face ao exterior nesta matéria. A situação actual da nutrição em Cabo Verde é caracterizada por uma fase de transição epidemiológica denominada como “o duplo fardo da malnutrição”, onde se encontram doenças de malnutrição por carência e por excesso.

Desde a independência que se desenvolveram intervenções orientadas para a prevenção e tratamento da malnutrição e das carências em micro nutrientes. Elas incidiram nomeadamente na vigilância do estado nutricional das crianças e grávidas, na sensibilização das mães com ênfase sobre o aleitamento materno exclusivo e prolongado, na distribuição de refeições quentes nas escolas, na suplementação com ferro e vitamina A e na iodação do sal.


Gráfico - Evolução do estado nutricional de crianças menores de 5 anos.

FoodSharingBoys.png

Em 1996, um estudo referente à carência de iodo em crianças de idade entre 6 e 12 anos, revelou uma deficiência ligeira em todo o país e uma prevalência de bócio endémico da ordem dos 25,5%. Outro estudo transversal em menores de 5 anos de idade, no mesmo ano, apontou para uma hipo vitaminose A de cerca de 2%.

Durante a implementação do PNDS (2008 a 2011) recomendou-se manter o acompanhamento atento da evolução da situação nutricional da população com ênfase nos grupos mais vulneráveis, reforçar a comunicação para promoção de hábitos de vida saudáveis e as intervenções de prevenção e controlo da malnutrição e das carências em micro nutrientes.