Trial version, Version d'essai, Versão de teste

Analytical summary - HIV/AIDS

From AHO

Jump to: navigation, search

The English content will be available soon.

PescadoresIlhadoSal.jpg

O primeiro caso de SIDA foi detectado em Cabo Verde em 1986.

Desde logo, um sistema de vigilância do VIH nas mulheres grávidas foi instaurado e permitiu obter taxas de prevalência de 0,48% em 1989 para 1,13% em 2002[1]. Em 2003 e 2004, com a introdução de novos postos de recolha, obtiveram-se prevalências de 0,89% e 0,44% respectivamente.

O segundo Inquérito Demográfico e de Saúde Reprodutiva (IDSR II - em inglês) realizada em Outubro de 2005 em 5.601 pessoas com idade de 15 a 49 para as mulheres e de 15 a 59 anos para os homens, indica uma prevalência à volta de 0,8%. De acordo com os dados provisórios do inquérito, a taxa de prevalência por sexo é de 0,4% para as mulheres e de 1,1% para os homens. O meio urbano apresenta uma taxa de prevalência de 0,9% e o meio rural de 0,6%[2].

Em 2005 a infecção com o VIH afectou particularmente as pessoas da faixa etária mais activa e economicamente rentável, 20 a 34 anos, representando 62,8% dos seropositivos e 51% dos casos de SIDA doença. O IDSR II também aponta esta faixa etária como particularmente afectada, a par com a faixa etária dos 45-49 anos. Além disso, os dados de Postos sentinela de 2003 e 2004 mostram que as jovens mulheres são expostas muito cedo ao vírus, 30% das mulheres grávidas têm entre 15 e 19 anos.

As estatísticas disponíveis não indicam uma diferença significativa da prevalência do VIH nas mulheres em função do estado civil (casada, solteira ou coabitante). As prevalências nestes três sub grupos de populações em 2004 são de 0,34% nas solteiras; 0,5% nas casadas e 0,56% naquelas que vivem em coabitação. De 1986 a 2004, o número acumulado de casos de VIH/SIDA notificados continuou crescente.

Em finais de Dezembro de 2005, cerca de 1710 casos de infecção com o VIH/SIDA foram notificados. Mais da metade dos casos (52%) estava já na fase SIDA, o que indica uma despistagem tardia da infecção[3]. Em 2010, foram detectados um total de 411 novos casos, sendo a sua maioria, 54,3% em mulheres (223 casos) contra os 42,8% nos homens.


Referências

  1. Plano Estratégico Nacional de Luta contra a Sida, 2006-2010, CCSSIDA
  2. Plano Estratégico Nacional de Luta contra a Sida, 2006-2010, CCSSIDA
  3. Relatório Estatístico 2010, Ministério de Saúde, 2011