Trial version, Version d'essai, Versão de teste

Analytical summary - Immunization and vaccines development

From AHO

Jump to: navigation, search

The English content will be available soon.

MeninoVacina.JPG

O Programa Alargado de Vacinação (PAV) cobre actualmente oito doenças (Tuberculose, Hepatite B, Poliomielite, Difteria, Tosse Convulsa, Tétano e Sarampo).

Cabo Verde aderiu às orientações para erradicação da poliomielite instituindo as normas internacionalmente exigidas em particular, a vigilância activa das PFA e a criação do Comité de Erradicação da Poliomielite e do Comité de Peritos desde o ano 2002.

Medidas estão também em curso para o controlo acelerado do sarampo tendo em vista a sua eliminação, que consistem na vigilância, campanhas de vacinação cada 4 anos e no aumento da cobertura vacinal de rotina, de 74,3% em 2007 no entanto ainda inferior à meta preconizada, superior a 90%.

A Estratégia de Atenção Integrada às Doenças da Infância (AIDI), adoptada em 2004 começou a ser implementada a partir de 2007 com a formação de formadores e dos primeiros prestadores de cuidados, estando na fase piloto de implementação, pelo que tem ainda uma abrangência limitada aos concelhos de Praia, Ribeira Grande, Paúl e Porto Novo. Contudo, constata-se que a oferta de cuidados em neonatologia é possível apenas nos hospitais centrais e regionais.

O IDSR II – 2005 (em inglês) aponta que a cobertura vacinal em relação a DTP3 e Sarampo foi de 79% e 81% respectivamente. Dados do PNSR 2007, mostram uma cobertura de DTP3 de 81% e de Sarampo de 74,3%. Sete concelhos não alcançaram 75% de cobertura em DTP3: S. Nicolau (73%), S. Domingos (66%), S. Cruz (71%), S. Catarina (74%), Ribeira Grande (63%), Paúl (74%) e S. Miguel (48%). A taxa de abandono de 8% entre DTP3 e Sarampo encontra-se abaixo da meta preconizada pelo PNSR (< a 5%).

O país criou condições favoráveis à continuidade do programa nomeadamente, a capacidade para a aquisição das vacinas na sequência da Iniciativa para a Independência Vacinal financiada pela União Europeia, através da UNICEF. Os custos com a vacinação (vacinas e consumíveis) são suportados desde 1998 pelo orçamento do Ministério da Saúde, à excepção da vacina contra Hepatite B que tem sido apoiada pela cooperação bilateral (Itália, Luxemburgo e UNICEF).

A vacinação é oferecida à população gratuitamente[1].


Referências

  1. Programa Nacional de Saúde Reprodutiva, 2008-2012. DGS, MS, 2008