Trial version, Version d'essai, Versão de teste

Analytical summary - Partnerships for health development

From AHO

Jump to: navigation, search

The English content will be available soon.

Igreja.jpg

A ajuda pública ao desenvolvimento em Cabo Verde passou de cerca de 75 milhões, em 2005, para 125 milhões de euros, em 2007, ou seja um aumento superior a 60%, representando à volta de 15% do PIB.

Um grupo de seis parceiros, composto pelo Banco Africano de Desenvolvimento, Áustria, Comissão Europeia, Países Baixos, Espanha e Banco Mundial, assinaram em Dezembro de 2006 um Memorando de Acordo com o Governo para afectar parte ou a totalidade da sua ajuda via apoio orçamental. Isto decorre das boas práticas do Governo e deverá permitir nos próximos anos o aumento da ajuda orçamental, que hoje representa 22% da APD. Outros países, nomeadamente, Portugal já aderiram à ajuda orçamental[1].

O sector privado constitui um elemento importante do SNS (Sistema Nacional de Saúde) e tende a assumir o seu papel complementar na oferta de cuidados de saúde. Com suporte legal a partir de 1989 desenvolveu-se, essencialmente na Praia e no Mindelo, pela criação de gabinetes de consultas médicas e de estomatologia, laboratórios de análises clínicas, gabinetes de fisioterapia e farmácias particulares. A quase totalidade dos profissionais do sector privado da saúde encontra-se em regime de acumulação de trabalho com os serviços públicos[2].

O sector privado da Saúde, vocacionado para constituir um complemento do Serviço público é ainda incipiente, reduzido quase que exclusivamente a consultórios de clínica geral, e incapaz de oferecer o leque desejado de escolhas na prestação de cuidados às situações mais frequentes de doença no país[3].



Referências

  1. Estratégia de Cooperação da OMS com cs Países 2008 – 2013 Cabo Verde
  2. Política Nacional de Saúde – Reformar para uma melhor Saúde, MNS, 2007
  3. Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário 2008-2011, MS, 2007