Trial version, Version d'essai, Versão de teste

Analytical summary - Neglected tropical diseases

From AHO

Jump to: navigation, search

As doenças tropicais negligenciadas representam uma grande carga para a saúde pública em Moçambique. Estas doenças estão fortemente associadas com as condições precárias de saneamento do meio e níveis de pobreza. A população que vivem nas zonas rurais carregam o maior peso destas doenças.

O recente mapeamento epidemiológico de schistosomiase e helmintíase transmitida por solo revela que estas doenças ocorrem em todo o país. A prevalência global nas crianças de 5-15 anos de schistosomiase urinária é de 47% e da helmintíase transmitida pelo solo é de 53% com cerca de metades dos distritos híper-endémicos (taxas de prevalências acima de 50%). (Augusto G et al, 2010)

A filaríase linfática é também endémica em Moçambique, em particular nas províncias do norte e centro do país com uma taxa até 82% em alguns distritos da província de Nampula. Dos 128 distritos, 103 são endémicos e cerca de 16 milhões de pessoas estão em risco de contrair a doença. Estudo realizado em 2005-06 encontrou uma prevalência nacional é de 13%.

O tracoma, recentemente mapeado (2011) em três províncias nomeadamente Niassa, Cabo Delgado e Inhambane, apresentou uma prevalência até 32% em alguns distritos da província de Niassa. (Mbofana FS et al, 2011)

A ocorrência de oncocercose foi descrita pela primeira vez em 1997 na província central da Zambézia. O mapeamento epidemiológico rápido para oncocercose realizado em 2001 confirmou a existência desta doença e resultados similares foram obtidos em 2007 no segundo mapeamento.

Moçambique atingiu em 2008 a meta de eliminação da lepra a nível nacional, com uma taxa de prevalência nacional de 1 caso/10.000 habitantes. No entanto, nem todos os distritos seguem a mesma tendência. Existem ainda 24 distritos que têm a taxa de prevalência superior a 1 caso por 10.000 habitantes. Outras doenças que ocorrem em forma endémica, principalmente em crianças em idade escolar, incluem a tunguíase, sarna e pediculose. Estudo feito na cidade de Maputo revelou que 32.7% estavam infectadas com pediculose e cerca de 2% com sarna.

Desde de 2008 Moçambique tem um programa de Controlo de Doenças Tropicais Negligenciadas. Em 2009 iniciou a campanha de tratamento massivo em 18 distritos e expandiu-se nos anos seguintes para 90 distritos. Estima-se que até 2017, 16 milhões de pessoas serão tratadas para filaríase linfática e oncocercose anualmente durante 5-6 anos e 7 milhões de crianças serão tratados para a schistosomiase e parasitoses intestinais no mesmo período.