Trial version, Version d'essai, Versão de teste

Analytical summary - Tuberculosis

From AHO

Jump to: navigation, search

Moçambique consta como o 14º (em 2009 era 16º) na lista de 22 países com a mais alta carga de tuberculose (TB) em 2010. De acordo com o Relatório Mundial sobre TB da OMS de 2011, em 2010 foram diagnosticados mais de 110.000 casos novos de TB no país contra 92.000 em 2009. Em termos de incidência, esta aumentou de 432 para 500 por cada 100.000 pessoas. (OMS 2011) Prevê-se que número de casos de TB aumente nos próximos anos devido à alta prevalência de HIV. A infecção por HIV continua a ser o principal fator de risco para a tuberculose em Moçambique. Aproximadamente 65% dos pacientes novos de TB são co-infectados com HIV.

A TB multi-droga resistente surgiu como um novo desafio em Moçambique. Em 2003 foram notificados 77 casos e este número cresceu até 181 em 2008. Um declínio na notificação dos casos de TB-MDR verificado entre 2008 e 2009 coincide com a suspensão da cultura e TSD de TB no Laboratório Nacional de Referência de TB em Maputo devido à reabilitação em curso. Em 2007 foi confirmado o primeiro caso de TB resistente a extensivos drogas (TB-RED).

A TB continua a ser uma principal causa de morte em adultos moçambicanos particularmente em indivíduos infectados pelo HIV. Em Moçambique, segundo o Relatório da OMS sobre TB (2011), a taxa de mortalidade por TB, foi de 49 mortes (excluindo HIV) em cada 100.000 habitantes em 2010.

Dos 3 indicadores (detecção de casos com BK+, taxa de cura com tratamento DOTS e % de doentes com TB aconselhados e testados para HIV) que medem o desempenho do sector na luta contra a tuberculose, a taxa de detecção de casos com BK+ não apresenta melhoria. Este indicador esteve estagnado em 2009 e 2010 em 53% e 2011 reduziu para 49%. A taxa de cura tem melhorado de forma muito ligeira, em 2009 foi de 83% e passou para 84% em 2011 um aumento de um ponto percentual num período de 2 anos. No que diz respeito ao aconselhamento e testagem para HIV em doentes com TB Moçambique tem registado progressos significativos. A proporção de pacientes com TB aconselhados e testados para HIV aumento em 7 pontos percentuais (84% em 2009 para 91% em 2011).

Deficiências do sistema de saúde são considerados os principais responsáveis por mais lenta que o desejável melhoria na detecção e tratamento da TB.