Trial version, Version d'essai, Versão de teste

Mortalidade

From AHO

Jump to: navigation, search

A taxa bruta de mortalidade registou uma redução de foi de 210.2 por 1000 habitantes em 1997 e passou para 150.6 por 1000 habitantes em 2007 (INE, 2008). A taxa de mortalidade infanto-juvenil reduziu de 205 mortes em cada mil nascidos vivos, em 1997 para 97 por mil, em 2011 e a taxa de mortalidade infantil reduziu de 135 mortes por mil nascidos para 64 mortes por mil, entre 1997 e 2011 (INE/MISAU, 2011).

A taxa de mortalidade materna reduziu de 692 para 500 mortes em cada cem mil nascimentos vivos, entre 1997 e 2007 (OMS, 2012). Segundo o relatório do Inquérito Nacional sobre as Causas de Mortalidade em Moçambique (INCAM), realizado em 2008, as principais causas de morte são: malária (28.8%), SIDA (26.9%), doenças do período peri-natal (6.5%), doenças diarreicas (4.4%), pneumonia (4.3%), acidentes/causas externas (3.9%), doenças do sistema circulatório (3.4%), tuberculose (3.1%) e tumores malignos (1.2%). A malária e SIDA figuram-se como as principais causas de morte em ambos os sexos (INE/MISAU, 2010).

A tabela 1 mostra as taxas de mortalidade neonatal, infantil e em menores de 5 anos para três períodos quinquenais que precederam ao inquérito, o que permite analisar retrospetivamente as tendências de mortalidade nos últimos 15 anos. Nota-se uma tendência descendente contínua durante os três quinquénios precedentes. Do período 1996-2001 ao período 2006-2011, isto é, de 10 a 14 anos antes a 0 a 4 anos antes de inquérito, a mortalidade infantil diminuiu de 106 para 64 por 1000. Durante esse período a queda na mortalidade infanto-juvenil foi de 158 para 97 por 1000 nados vivos.

Tabela 1. Evolução da mortalidade infantil e em menores de 5 anos por períodos de 5 anos Tabla.jpg

A figura 2 mostra a tendência da mortalidade infantil segundo os três inquéritos IDS realizados em Moçambique em 1997, 2003 e 2011 e MICS 2008. Nota-se uma grande coerência nas taxas obtidas nos três inquéritos, que revelam uma queda contínua das taxas de mortalidade, ao redor de 140 por 1000 nos primeiros anos da década de 1980 até 64 por mil os fins da primeira década do 2000. Moçambique já alcançou o objectivo de milénio quanto à redução da mortalidade em menores de 5 anos.

Níveis.jpg

Figura 2: Níveis e tendência da da mortalidade neo-natal infantil e infanto-juvenil nos cinco anos anteriores aos inquéritos IDS (1997, 2003 e 2011) e MICS (2008).